História

Localizada em Frangoneiro, nos arredores de Portalegre, em terras do Alto Alentejo, encontra-se a Tapada do Chaves, uma propriedade que dá origem a vinhos de qualidade reconhecida há quase 100 anos.
Com 60 hectares de terra e 32 de património vitícola, 23 dos quais de castas de uva tinta e nove hectares de castas de uva branca, a Tapada do Chaves localiza-se numa zona fortemente influenciada pela orografia (Serra de São Mamede) e pela cobertura agroflorestal que lhe confere um microclima específico e decisivo para a qualidade e tipicidade dos vinhos aí produzidos.
São raras as propriedades vitivinícolas alentejanas que acumulam mais de um século de existência. A Tapada do Chaves é, por isso, um caso único no panorama alentejano. Trata-se de um lugar particular, singular pelo seu património, pela sua orografia. Localizada sobre um maciço de granito e com uma altitude generosa que permite a maturação lenta e plena das uvas, o que se reflete em aromas muito puros nos vinhos e numa frescura singular nos tintos e brancos.

A sua história remonta ao início do século XX quando, no Frangoneiro, o senhor Chaves, plantou na sua pequena propriedade (Tapada) as primeiras vinhas, iniciando uma relação de paixão e de dedicação à terra.
Na Tapada do Chaves encontram-se duas das mais velhas parcelas de vinha do Alentejo, em produção, com registo nos passados anos de 1901(vinha velha tinta) e 1903 (vinha velha branca).
Logo desde o início da sua história, o Tapada do Chaves foi distinguido por um invejável palmarés de prémios e distinções que ainda hoje se pode observar nas diferentes salas que compõem a adega histórica desta propriedade.
Ter um Tapada do Chaves na mesa ou na cave passou rapidamente a significar ter o melhor que o Alentejo podia dar. Destes vinhos afamados glorificava-se a boa frescura sem prejuízo de um corpo generoso e aveludado. A longevidade destes vinhos sobretudo dos tintos, é também uma das suas glórias.

Foi também graças à excelência dos vinhos “Tapada do Chaves” e ao seu reconhecimento que se ficou a dever a afirmação do Alentejo enquanto região produtora de vinhos de qualidade que hoje mais que justificam a Denominação de Origem Controlada.
Em julho de 2017 assume funções uma nova administração na Tapada do Chaves. É sua pretensão relançar os vinhos produzidos na propriedade e retomar a fama que os vinhos outrora alcançaram. “Os vinhos Tapada do Chaves sempre foram dos mais prestigiados em Portugal. Reconhecidos pela genuinidade e qualidade, conquistaram uma aura mítica, estando entre os eleitos por uma elite de consumidores e enófilos de Portugal ao Brasil” refere José Mateus Ginó.

É essa genuinidade que a nova administração pretende agora devolver aos vinhos “Tapada do Chaves”.
Aos vinhos, com caraterísticas marcadamente clássicas do Alentejo, junta-se agora uma imagem que se inspira na origem da marca. Os rótulos foram depurados, ganhando uma roupagem clássica, mas contemporânea. Tal como os vinhos.
Trata-se de um trabalho manual, de artesão, adequado aos vinhos de boutique que agora são apresentados.